quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Gabarito preliminar do CESPE

Bem, se o CESPE não decidir mudar nada, o gabarito é o mesmo que publiquei após a prova.
Verifiquem no endereço do CESPE depois.
Fico feliz de poder propiciar aos meus alunos não só tranquilidade após prova, mas aulas que o preparam para gabaritar a prova. Desde a 'parte chata' de Geografia Física - entendeu porque é necessário saber um pouquinho que seja de Geomorfologia?, até a 'parte exaustiva' de HPG, Kant caiu no TPS!, até a 'parte panorâmica', viu porque é bom saber as conurbações, áreas industriais etc etc do mundo?
Fico com a sensação de dever cumprido!!! Isso também é um desabafo :P
w.
PS: Abrirei novos horários, uma vez que o TPS já se foi, para preparação para a terceira fase. Informo isso em uma semana; por ora, preciso trabalhar na dissertação.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Mideast on Target

Olá,
Recebi uns e-mails comentando sobre o Mideast on Target. Esclareço que não é por publicá-lo aqui que concordo totalmente com o que está escrito. É um ponto de vista que considero válido para a leitura. Estou tentando encontrar perspectivas distintas. Se alguém conhecer...

Por ora, publico o último Mideast recebido.

Jihadi Ideological Fathers of the Hamas Covenant

By Yisrael Ne'eman



A year after Israel's Cast Lead Operation in Gaza and countless hypocritical condemnations of Israel's use of force to halt Hamas rocket attacks and weaken that organization it appears that virtually none are familiar with the Hamas commitment to Jihad. At present Israel sent massive aid to Haiti in the wake of their devastating earthquake. Certain elements both in Israel and abroad are questioning why we do not help Gaza in a similar manner. The answer is simple, "They want to kill us." You can help your sworn enemy only after his final defeat. The example is US policy towards Germany and Japan after WWII.
Today as in the past there are many facets of Islam. The understanding gaining the most attention and notoriety is the fundamentalist bin Laden al Qaeda type, in essence defined as "Jihadi Islam." With an approximately 1.6 billion Muslims world wide estimates today are that 15% or so support this perspective, so although a minority we are still speaking in a range of a quarter of a billion people. The vast majority are not activists but rather serve as a civilian support system for these extremist beliefs. Within the Jihadi camp there are tactical disagreements concerning when and how to attack thereby exposing differences between Al Qaeda supporters and other Muslim Brotherhood loyalists such as those in Gaza (Hamas). Over the past year this led to armed clashes where the former were massacred. Due to a liberal democratic education, Westerners in particular try to differentiate between the two groups, often declaring those in the Muslim Brotherhood to be "realistic" and "willing to make compromises to remain in power". What is not understood is the temporary nature of such policies. Much more important in the long run are the fatwas (Islamic judgments), "The Charter of Allah" as the Hamas Covenant is known and the ideological - theological tracts written by Jihadi thinkers. Concurring Hamas Covenant articles will be indicated in parentheses.
When focusing on the Hamas Covenant many believe it to be a Palestinian national document more than anything else. This is what Hamas leaders Khaled Mashal and Ismail Haniya would like us to believe. Palestinian nationalism is only a veneer for the Covenant. The scope of the document relates to the need for world Islamic conquest (Art. 7: The Universality of the Islamic Resistance Movement and Art. 9: Goals). More so the Hamas is at war not just against Israel but identifies the Jews as the enemy and pushes a harsh anti-Semitic policy (Introduction and Art. 7). This will be discussed in a subsequent article. Many believe Hamas to be "only posturing" as if a Jihadist movement would concede Allah's objectives. Below is a review of the ideologues Hasan al-Banna, Sayyed Qutb and Abdullah Azzam, upon whom the pillars of Hamas ideals are constructed.
Hassan al-Banna (1906-1949), founder of the Muslim Brotherhood (Egypt, 1928) in his tract On Jihad demands a full fledged physical Jihad to crush all those refusing to embrace Islam even should they show no hostile intent. Hamas is a branch of the Muslim Brotherhood (Art. 2) and by definition supports the following quote from al-Banna's work:
Jihad in its literal significance means to put forth one's maximal effort in word and deed; in the Sacred Law it is the slaying of the unbelievers, and related connotations such as beating them, plundering their wealth, destroying their shrines, and smashing their idols," and "It is initiated by us as a communal obligation, that is, it is obligatory on us to begin fighting with them after transmitting the invitation [to embrace Islam], even if they do not fight against us. (Five Tracts of Hassan al-Banna, Translation – Charles Wendall, Univ. of Calif. 1978, p. 147)
For al-Banna to engage in Jihad is an obligation (Art.3), to avoid Jihad is a sin. For him those explaining Jihad to be non-violent and akin to a cleansing of the heart and spirit are accused of cowardice and refusing the honorable death as a martyr. The entire world must be conquered through Islamization as well as Arabization for the Arabs are superior and understand the true message of Islam better than all others. The People of the Book being Jews and Christians are sinners and will be defeated (Preamble).
The Islamic State is to be established by force if necessary throughout the Muslim world and then the Jihad continues to non-Muslims. This Holy War in the name of Allah breaks down into two parts: defensive and offensive. The defensive Jihad involves personal obligation where all are to participate including debtors or slaves, women and children, none of whom need permission from creditors or masters, husbands or parents accordingly. Defensive Jihad is defined as battling those who have captured territories having belonged to Islam previously and thereby defined as "Waqf lands" or Muslim land endowments (Art. 11, 12). Today this includes a large portion of the world – The Balkans, Spain, the sub-Sahara, India and more.
When moving over to offensive Jihad, Sheikh al-Banna speaks of Islam, combat and tribute as the three pronged status of Muslim relations with the world. All three agree that one either lives in the realm of Islam (Dar ul-Islam) and fights for world dominance, or one is the adversary residing in the realm of war (Dar ul-Harb) and must either convert or die. The People of the Book (Jews and Christians) are allowed to survive provided they pay the special jizya head tax to their Islamic patrons. One can live in peace by accepting Islamic sovereignty (Art. 31). Offensive Jihad is a community leadership obligation whereby there is a decision to field an army for further conquests. The personal obligatory defensive Jihad does not apply since Islam is not under attack but on a march of conquest. Islam is to be offered to peaceful non-believers and should the offer be rejected Jihad is declared against the offenders. Refusal by the inferior People of the Book (dhimmis – second class peoples) results in war where according to one commentary used by al-Banna, all those who fall as martyrs in battle will receive a double reward for the efforts. The opening lines of the Covenant condemn the People of the Book who rightfully suffer Allah's wrath.
The Egyptian philosopher and theologian Sayyed Qutb (1906-1966) emphasizes the overall Jihad against the "Jahili" or ignorant world, this same polytheism and lack of belief held before the advent of Islam in the seventh century. Writing in the 1950s he was doubtful whether a true Islamic society or even community existed. Recounting Islamic wars and battles throughout history he makes the case for a continual Jihad in his book Milestones. He is anti-democracy and anti-West, reviles communist/socialist ideals, declares Holy War against any society where men rule in place of Allah, allows for no co-existence of religion and the secular state (Allah would have a competitor for human loyalties) and believes the People of the Book must be defeated and subjected to the jizya tax by a victorious Islam. Like al-Banna, Islam is to be offered to all, should they refuse yet remain peaceful such a rejection is to be answered with Jihad.
For Qutb the Muslim world is mixed with Jahili (ignorance) because those societies have adopted secular ways and at best have reduced Islam to "religion" or "belief" instead of a full way of life governed by Shariah law as given by Allah. Hence he attacked Nasser's revolutionary regime, spent over ten years in jail for doing so and was eventually executed by the authorities. In differentiating himself from al-Banna and Abdullah Azzam he claims all can be equally devout Muslims with full understanding whether one be an Arab or not. The others believe in Arab superiority.
Most important is his emphasis on the offensive Jihad. The Muslim community leadership is meant to be leading a Jihad against all non-Muslims until Allah's authority reigns supreme. Any person or society not counted among Islam's true believers is to be attacked regardless of threat or common border. Qutb is the true theological father of 9/11. Jihadi Islam is to bring freedom to all men through submission to Allah. Qutb's homeland is any community where Allah's authority rules, this through the Koran as a constitution (Art. 5) or Shariah law. This is understood to mean the establishment of separatist Islamic communities in Europe, Asia, the Far East - anywhere.
Qutb is emphatic concerning women and their fully domestic role. They are to raise the family and inculcate Islamic values into their children. They are their children's guardians against anti-Islamic Jahili influences (Art. 17-18). According to the Koran women are inferior, subject to the commands of their husbands or male relatives and may even be beaten if need be (Koran 4:34).
When battling Jahili societies one is to annihilate them without seeking personal gain. Whether one is martyred or not, Jihadists will gain their true rewards in the afterlife (Art. 36). Qutb has a visceral hatred for Israel and even more so for Jews(Art. 7) but more about that at another time.
Abdullah Azzam (1941-1989) was directly involved with those who wrote the Hamas Covenant but more significantly he is said to be the single most influential person in Osama bin Laden's choice of world Jihad. Azzam was born in Mandated Palestine and left the West Bank after the 1967 Six Day War, refusing to live under Israeli rule. With a doctorate in Islamic law Azzam went off to lead the Jihad in Afghanistan against the Soviets where his forces were victorious. His two most important works are Defense of the Muslim Lands and Join the Caravan. It is in Afghanistan that he worked closely with bin Laden. This was a defensive Jihad whereby all Muslims are personally responsible for the Islamic victory over the invader (see above). He emphasizes the compulsory obligation of every Muslim to engage in Jihad unless excused due to physical or economic disability. Even women can participate by helping civilians and caring for the wounded but not as combatants. For Azzam except for the dedicated few, the Muslim world is viewed as cowardly, only caring for material pleasures and sinning grievously against Allah in evading its Holy responsibility.
Defensive Jihad is characterized by the bravery and generosity of its combatants. With the holy Waqf under attack or occupied by outside invaders all are drafted into the purifying Jihad. Similar to Qutb he understands Jihad to be fulfillment of Islamic law and in essence to be part of a "constitution" - omnipresent, compulsory and never transitory. He too, like al-Banna and Qutb condemns those who speak of a spiritual Jihad, claiming Jihad is exclusively physical land based conquest. All other interpretations are excuses placing those who avoid Jihad in the same category as homosexuals and adulterers. Martyrdom and 72 maidens (houris) await the Jihad warrior as rewards for his efforts.
Azzam focuses on the Afghan Jihad first and the Russian unconditional surrender. The next obligatory step is Palestine and the expulsion of the Jewish presence (Art. 14, 15). No compromises can ever be made in Jihad (Art. 13). He had taken part in the early stages of Muslim Brotherhood attacks against Israel immediately after the 1967 War but was sorely disappointed after realizing the Palestine national movement was secular and bereft of religion. Only an Islamic struggle would be victorious (Art. 26, 27). Even worse yet many came from Christian backgrounds such as George Habash and Naif Hawatma. But after Afghanistan the Palestinian Jihad was next. Other future battlegrounds include Lebanon, Kashmir (India), sub-Saharan Africa, Burma, Caucasia, Indonesia and more. This only recounts 20th century Islamic setbacks which need to be rectified in the continuing defensive Jihad. Like his two predecessors the offensive Jihad will eventually envelop Europe, the West and the world.
All three ideologues agree that Islam is a full way of life which includes Jihad, both defensive and offensive. The Hamas Covenant speaks outwardly of a defensive Jihad, first against Israel but once the principle is accepted any non-Islamic sovereignty over previously Muslim held territories is a God given reason for a universal draft in the name of a defensive Jihad. Large portions of the world will be attacked. When the defensive Jihad is completed the offense begins, or as Qutb would have it, both can be engaged in simultaneously. Article 36 concludes the Hamas Covenant:
"The Islamic Resistance Movement [Hamas] depends on Islam as a way of life, its faith, and religion and supports whoever adopts Islam as a way of life"
World Jihad is intrinsic to the Islamic way of life, the next step after the destruction of Israel and the defeat of the Jews.
Finally there is the issue of "hudna" or the Islamic cease-fire agreed to while battling the Jahili societies. All three thinkers agree that it is only a temporary arrangement permissible when the Islamic side is in danger of losing. The hudna is a temporary lull to allow for rearming, retraining and military reorganization of the Jihadi forces. The Jihad begins anew according to the Muslim military timetable. The example given is the ten year hudna agreed upon at Hudaybia between the Prophet Mohammed and the Meccans. After two years the hudna was broken by the Muslim forces and Mecca captured. Because the Jihadi forces are battling in the name of Allah any agreement reached between humans is subservient to the need to spread the Divine religion of Islam. Agreements must be broken if it serves the interests of the Muslim side. Any hudna is a delay in the eternal battle for universal subjugation to Islam.
To summarize, the Hamas is the Muslim Brotherhood. Al-Banna, Qutb and Azzam were all Brotherhood ideologues and activists whose main emphasis is Jihad – the defensive flows into the offensive naturally. The Hamas Covenant fully explains the defensive Jihad and demands of all to live a fully Islamic way of life. The Hamas motto (Art. 8) is:
Allah is its goal
The Messenger is its leader
The Koran is its constitution
Jihad is its methodology
Death for the sake of Allah is its most coveted desire
This is a clear call for offensive Jihad and martyrdom as is known from the Muslim Brotherhood reading of the Koran. "Islamic" Palestinian nationalism is a façade or at best a temporary stage. None should expect the Muslim Brotherhood to halt its march for world conquest should they succeed on the Palestinian front or any other.

Prova objetiva IRBr 2010

Caderno A!
Questão 34: correta é a que trata das fitofiosonomias do Cerrado; erros das outras: Araucárias - diversidade; Atlântica - bastante espaçadas e baixa densidade florestal; Amazônia - os embasamentos; Caatinga - predomina o intemperismo físico;
Questão 35: cretiníssima; o bioma Amazônia é a correta - erros das outras: o Cerrado foi significativamente alterado; Caatinga, amplitude térmica ao longo do ano (não confundir com a diária!); Atlântica - inexistência de medidas legais para a sua preservação; Pantanal, chuvas regularmente distribuídas;
Questão 36: o PRONAF não reduziu a produtividade; a pluriatividade foi adotada pela agricultura familiar; não há essa linearidade entre café, agricultura familiar e modernização; há revlaorização do campo para se viver?/ se há, como não se relacionaria???, continuum campo/cidade questiona essa concepção; sobrou a das políticas públicas... mal elaborada, eu achei...
Questão 37: não foi na França; espaço é um conceito moderno; há um artigo afirmando que os gregos não o conheciam hehehe, será que o CESPE quer essa como correta?; Humboldt era enciclopedista; quê??? hehe; e olha que entortaram o nariz quando falei de Kant hehehe marco essa!
Questão 38: a correta é a da Convenção da África, quem ainda não leu isso no livro do Wagner? :P; erros - nada de ONU :); inclusão não!; teoria de Malthus trocada; pegadinha - o próprio PNUMA coordena o Fundo;
Questão 39: há consideráveis conurbações na África (E); "A urbanização dos países pobres..." (C); "Nos países pobres..." (E); bem, tenho de consultar meu banco de dados para somente cidades e/ou regiões metropolitanas; os cinco maiores PIBs nacionais são EUA, Japão, Alemanha, China e RUN; da década de 1990 para a primeira do XXI, a China ganhou posições, tomando o lugar da França nos cinco maiores, creio; as cinco maiores aglomerações urbanas são Tóquio, México, Nova York, São Paulo e Bombaim. Não acredito que Bombaim (última da lista) tenha maior PIB que a área urbana de Paris, ou de Londres... Se fosse por PIB nacional, Índia e México não figuraram entre os cinco maiores hehehe. Acho, portanto, que está errada (E), MAS DEIXARIA EM BRANCO :)
Será que eu gabaritei??? Suspense!!!
w.
PS: Sandra, obrigado pela prova!!!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Ceremonial Diplomatico no Brazil

Olá
Estou pesquisando a página da Câmara dos Deputados e encontrei a lei que regulava o cerimonial diplomático brasileiro. Não resisti e decidi compartilhar com vcs. Eu tampouco resisti, precisei ler. Parei uns minutos, tomei meu chá de hibisco com muito gengibre (ler livro com fungo faz isso!) e me diverti. Para quem está estressado com a prova, serve para pensar no futuro como diplomata... :)

Decreto nº 4.010, de 2 de Maio de 1901
Regula o Ceremonial Diplomatico no Brazil
O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brazil, considerando a conveniencia de estabelecer um ceremonial official para a recepção dos Representantes Diplomaticos acreditados no Brazil e de regular os actos publicos a que elles são convidados a assistir, resolve adoptar e decreta o seguinte ceremonial diplomatico no Brazil:
Mudanças de Ministerio
Logo que tenha tomado posse da sua pasta, o Ministro de Estado das Relações Exteriores participará ao Corpo Diplomatico residente no Brazil, e bem assim aos consules geraes dos paizes que não tenham Legações, a sua nomeação e a modificação total ou parcial do Ministerio.
O director geral da Secretaria de Estado das Relações Exteriores, recebendo as instrucções do novo Ministro, dirigirá ao mesmo tempo aos representantes estrangeiros uma nota verbal communicando-lhes o dia e hora em que o Ministro aguarda no seu gabinete a primeira visita do pessoal das Legações.
O mesmo director geral participará tambem, pelo telegrapho, ás Legações brazileiras a mudança ministerial occorrida.
Esta communicação, que confirmada pelo novo Ministro, o director geral, em nome deste, dirigirá igualmente ao Corpo Consular brazileiro por circular por elle assignada.
O Ministro de Estado retribue, dentro de tres dias, essa primeira visita do Corpo Diplomatico na Capital Federal, pessoalmente aos Embaixadores e por cartão aos Enviados Extraordinarios e Ministros Plenipotenciarios, Ministros residentes, aos encarregados de negocios, aos secretarios de Legações e addidos.
Em nota verbal o Ministro de Estado participa ao decano do Corpo Diplomatico o dia da semana e a hora em que regularmente recebe os reprresentantes estrangeiros que teem de tratar com elle de assumpto de seu serviço.
O Decano é previamente avisado do impedimento do Ministro nesses dias fixados para audiencia. Fóra desses dias póde o Ministro receber os representantes estrangeiros, devendo estes solicitar a audiencia previamente por escripto, por intermedio do secretario do Ministro das Relações Exteriores.
Nas audiencias ordinarias os representantes diplomaticos são introduzidos no gabinete do Ministro de Estado, segundo a ordem da chegada e observadas as regras de procedencia.
Chegada ao Brazil de um representante diplomatico estrangeiro
Assim que o representante diplomatico, chegado á Capital, tiver feito visita e communicado ao Ministro das Relações Exteriores a cópia da sua credencial e o pedido de obter audiencia do Presidente da Republica para a representação desta e bem assim cópia do discurso quando haja de proferil-o nesse acto, o director do protocollo, de ordem do Ministro e por escripto, se dirigirá ao secretario do Presidente da Republica, afim de saber o dia e hora que este marcar para aquella apresentação, e o communicará tambem por escripto ao representante diplomatico.
Recepção publica dos representantes diplomaticos
A - Do Nuncio ou Embaixador
No dia designado e antes da hora fixada para recepção do Embaixador, forma na frente do palacio do Governo uma guarda de honra, com bandeira e musica, que faz as continencias devidas ao Embaixador e toca o hymno nacional que lhe corresponde quando desce elle do seu carro.
Um ajudante de ordens do Presidente da Republica vae buscar o Embaixador em sua casa.
São postos á sua disposição tres carros de Estado, enviados pela Presidencia, em um dos quaes vão o Embaixador e o ajudante de ordens, assentando-se este em frente daquelle; os outros carros são destinados ao pessoal da Missão.
Um esquadrão de lanceiros escolta o carro do Embaixador, ao qual precedem os outros carros.
E' de rigor o uniforme para o Embaixador e para as pessoas da Embaixada e os convidados civis para a sua recepção trajam casaca e gravata branca.
Ao chegar ao palacio, o Embaixador é recebido no primeiro patamar da escada por outro ajudante de ordens e no alto della pelo chefe da casa militar da Presidencia, o qual com os ajudantes de ordens conduz o Embaixador ao salão onde o esperam o Ministro de Estado das Relações Exteriores e o secretario do Presidente da Republica.
Um daquelles ajudantes participa então ao Presidente a chegada do Embaixador e este, sempre seguido do ajudante ás suas ordens e do pessoal da Embaixada, faz a sua entrada no salão da recepção, onde se acha o Presidente da Republica com os seus Ministros e os representantes das suas casas civil e militar.
Pronunciado pelo Embaixador o seu discurso e recebida pelo Presidente a sua credencial, este, depois de lel-a e entregal-a ao Ministro das Relações Exteriores, responde á allocução do Embaixador.
Ambos os discursos são lidos.
Feita pelo Embaixador a apresentação de sua Embaixada ao Presidente, este convida o Ministro das Relações Exteriores a apresentar áquelle os Ministros do Estado e por sua vez apresenta depois os membros das suas casas civil e militar.
Em seguida, o Presidente convida o Embaixador a assentar-se para fallar particularmente. Durante essa conversação, as pessoas assistentes á ceremonia afastam-se em distancia conveniente.
O Embaixador, feitas as despedidas, regressa á sua residencia com os mesmos ceremonial e honras militares.
Apoz esta ceremonia, o Ministro das Relações Exteriores visita o Embaixador e lhe remette por nota cópia da resposta do Presidente á allocução que elle proferiu na entrega da credencial.
No Diario Official do dia seguinte é publicada a noticia desse acto.
Esperam receber a primeira visita do Embaixador os Srs. Vice-Presidentes da Republica e do Senado, Presidentes da Camara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal e os membros do Governo. Esta visita é retribuida dentro de tres dias.
Cabendo aos altos funccionarios do Estado fazer a primeira visita ao Embaixador, esperam que este lhes participe o dia e hora em que os recebe nesta Capital.
O director do protocollo proporcionará ao Embaixador uma lista dos funccionarios e assistirá á recepção para apresentar-lhe os convidados.
O Embaixador, manifestando o desejo de ser apresentado ou de apresentar sua esposa á senhora do Presidente da Republica, é por esta recebido sem ceremonial algum em dia previamente marcado, sendo apresentado á mesma senhora pelo director do protocollo, que espera em palacio o Embaixador.
Esta visita é retribuida dentro de oito dias pela senhora do Presidente, precedendo os avisos necessarios.
O Embaixador, uma vez acreditado, tem entrada no Palacio para fallar com o Presidente, simplesmente fazendo-se annunciar ao secretario deste. Esta regalia não é extensiva aos Ministros, que precisam solicitar previamente do Ministerio competente a designação do dia e hora para aquelle fim.
B - Do Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario
No dia designado para a recepção de um Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario, um ajudante de ordens do Presidente conduz o Representante da residencia deste ao Palacio em carro do Estado, escoltado por um piquete de lanceiros.
Não ha guarda de honra, mas a do Palacio forma e faz continencias ao Ministro Plenipotenciario, ao descer este do carro e depois ao retirar-se.
O ajudante de ordens conduz o Ministro Plenipotenciario com o pessoal da Legação ao salão de espera e, depois de annunciar a sua chegada ao Presidente, acompanha o Ministro Plenipotenciario ao salão onde se acha aquelle, tendo a seu lado o Ministro das Relações Exteriores, o secretario da Presidencia e o chefe da casa militar.
O Ministro Plenipotenciario lê o seu discurso e entrega a credencial ao Presidente, que se conserva de pé. Este por sua vez lê sua resposta á allocução do Plenipotenciario, depois de ter lido e entregue a credencial ao Ministro das Relações Exteriores.
O Ministro Plenipotenciario retira-se e é conduzido á sua residencia com o mesmo ceremonial.
Depois da apresentação da credencial, o Ministro das Relações Exteriores recebe e retribue a visita do Plenipotenciario, a quem se dá tambem cópia da resposta do Presidente ao seu discurso de apresentação.
Esperam a primeira visita do Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario os Srs. Vice-Presidentes da Republica e do Senado, os Srs. Presidentes da Camara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal e os Ministros de Estado. Essas visitas são retribuidas dentro de dias.
O Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario e sua consorte são recebidos pela esposa do Presidente da Republica com as mesma formalidades indicadas para o Embaixador e sua esposa; esta visita é retribuida dentro de cinco dias.
As senhoras dos representantes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciario esperam receber a primeira visita da senhora do Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario. Essa visita deve ser retribuida dentro de cinco dias.
Os Enviados em missão extraordinaria com o caracter de embaixada ou de missão ordinaria são recebidos com o mesmo ceremonial que compete a estas.
C - Do Ministro Residente
O Presidente recebe em audiencia particular, a que só assiste o seu secretario, o Ministro Residente e a este depois apresenta o mesmo secretario. Não ha, pois, discursos e só por ordem especial do Presidente da Republica um dos ajudantes de ordens conduz a palacio, em carro da Presidencia, o Ministro Residente e o pessoal da sua Legação.
As suas visitas se regulam como as do Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario.
Recepções particulares dos Representantes Diplomaticos
Os Enviados Extraordinarios e Ministros Plenipotenciarios e os Ministros Residentes são recebidos pelo Presidente da Republica em audiencia particular para entregarem-lhe cartas de gabinete, novas credenciaes e revocatorias, apresentarem-lhe personagens notaveis dos seus paizes de passagem nesta Capital e fazerem-lhe suas despedidas. São do mesmo modo recebidos pelo Presidente em residencia temporaria deste fóra do Districto Federal>>.
As audiencias particulares são solicitadas, com a precisa antecedencia, por intermedio do secretario do Ministro das Relações Exteriores.
Recepções geraes
No 1º de janeiro, em 7 de setembro e em 15 de novembro annualmente, e precedendo participação, o Presidente da Republica recebe no Palacio do Governo os membros do Corpo Diplomatico que forem cumprimental-o pela entrada do novo anno e pelos anniversarios da independencia nacional e da proclamação da Republica.
Naquelles dias é reservada no palacio uma sala especial para o Corpo Diplomatico e na qual é recebido por uma ajudante de ordens do Presidente. O mesmo ajudante acompanha por ordem de precedencia cada Missão Diplomatica, separadamente, ao salão de honra onde está o Presidente da Republica, com o seu Ministerio e o pessoal das suas casas civil e militar. Quando o Presidente o determine, o Corpo Diplomatico é recebido em circulo. Neste caso os convites para a recepção trazem esta declaração.
Nas recepções geraes o Corpo Diplomatico cumprimenta em primeiro lugar.
Fallecimento de um Representante Diplomatico - Seu funeral
Notificado ao Ministro de Estado das Relações Exteriores o fallecimento de um Representante Diplomatico acreditado nesta Republica, o Ministerio communicará o facto, pelo telegrapho, á Legação do Brazil no paiz que o finado representava e na falta della ao respectivo Ministro dos Negocios Estrangeiros.
O Ministro de Estado das Relações Exteriores convida o Decano do Corpo Diplomatico e o secretario da Legação que o finado dirigia e, na falta do secretario e de outro funccionario da mesma Legação, o consul do paiz respectivo, para o fim de tratar-se do funeral que se effectuar no <<Districto Federal>>.
Dada o caso de não haver funccionario da Legação e Consular nem pessoa da familia do finado, o Ministro das Relações Exteriores solicita do seu collega da Justiça as providencias necessarias para a arrecadação, guarda e deposito do espolio e do archivo da Legação.
Combinado o funeral, o Ministro das Relações Exteriores avisa ao da Guerra a esse respeito, afim de serem prestadas ao finado as honras militares que lhe correspondam e que são: as de marechal para o Nuncio ou Embaixador; de general de divisão para o Enviado Extraordinario e Ministro Plenipotenciario; de general de brigada para o Ministro Residente e de coronel para o Encarregado de Negocios.
No cortejo funebre se observa a seguinte: Carro funebre; Carro de honra; Carro do pessoal da Legação, do representante da familia do finado ou do consul; Carro de Estado do Ministro das Relações Exteriores; Carro de Estado do ajudante de ordens do Presidente da Republica; Carros dos demais Ministros de Estado; Carro do Decano do Corpo Diplomatico; Em seguida os carros dos membros do dito Corpo Diplomatico e fecham o prestito os dos funccionarios civis, militares e de particulares.
Ao ser transportado para o carro o caixão, seguram nas alças ou cordões deste, preferentemente, o Ministro das Relações Exteriores, o Decano do Corpo Diplomatico, o secretario da Legação, o ajudante de ordens do Presidente da Republica, o consul da nação do finado.
Achando-se no <<Districto Federal>> a familia do finado, o secretario do Ministro das Relações Exteriores e um ajudante de ordens do Presidente da Republica deixam na residencia daquella familia, no dia do fallecimento, um cartão de pezames dos seus superiores.
Anniversarios civicos e natalicios estrangeiros
No dia de anniversario civico ou natalicio de Chefes de Estados que teem Representantes Diplomaticos no Brazil, o Presidente da Republica e o Ministro das Relações Exteriores enviam pelos seus, respectivamente, ajudante de ordens e secretario do gabinete cumprimentos ao Representante Diplomatico no <<Districto Federal; não se achando este no Districto, o Ministro das Relações Exteriores lhe envia pelo telegrapho as congratulações do Sr. Presidente e as suas.
Banquete official ao Corpo Diplomatico
Os convites para os banquetes no Palacio Presidencial são feitos, em nome do Presidente da Republica, pelo secretario da Presidencia e distribuidos com antecedencia de oito dias, afim de que os convidados possam responder ao convite.
A collocação dos convidados na mesa se regula pela schema annexa.
Nos casos em que concorrem só cavalheiros, o logar de honra é á direita do amphitryão e o logar á sua frente occupado pelo Ministro mais velho que estiver presente, ou pelo Ministro das Relações Exteriores, sendo diplomatico o banquete.
Na hypothese de comparecimento de senhoras, o logar de honra é á direita da senhora do Presidente, ou da senhora do Ministro das Relações Exteriores, ou daquella que tenha sido convidada para fazer as honras da festa, na falta da presença da senhora de um dos outros Ministros de Estado.
Nos banquetes offerecidos ao Corpo Diplomatico, o logar de honra cabe ao seu Decano. Os demais representantes são collocados por ordem de precedencia diplomatica e os Ministros de Estado intercalados entre os Chefes de Missão e por ordem de idade. As mesmas normas são observadas mutatis mutandis no banquete que o Ministro das Relações Exteriores offerece igualmente ao Corpo Diplomatico no Palacio Itamaraty.Nestes banquetes não ha discursos.
Capital Federal, 2 de maio de 1901, 13º da Republica.
M. FERRAZ DE CAMPOS SALLES.
Olyntho de Magalhães.
Publicação:
Diário Oficial da União - Seção 1 - 08/05/1901 , Página 2099 (Publicação)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Professores... de Geografia?

Olá
Recebi alguns e-mails comentando que alguns cursos tem profissionais dando aula de Geografia sem, de fato, terem formação na área.
Bem, o que respondi a essas pessoas era que havia gente para todo tipo de serviço, e perguntei por qual motivo pagavam mensalidade para um curso assim.
Fiz piada com o fato de Milton Santos ser bacharel em Direito, não em Geografia, mas o mínimo que um curso deve fazer é contratar profissionais capacitados nas suas áreas de atuação. Se não fazem isso, tenham certeza de que é picaretagem...
Creio que o Instituto Rio Branco exige qualidade de seus profissionais... É o que posso dizer a respeito...
Para tirarem dúvidas, todo e qualquer professor que se preze, possui formação de qualidade e com acesso ao público. Basta acessar a plataforma Lattes, que assim terão acesso à informação referente a quem dá aula a vocês... Exijam o melhor... Cabe, inclusive, ação judicial com base no Código do Consumidor. Não sei se cabe queixa ao MEC, creio que sim.
O endereço é este: http://lattes.cnpq.br/index.htm
Basta digitar o nome na busca, no centro da página, "Buscar currículo". Divirtam-se! :P
w.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Gabarito IV

FELIZ ANO NOVO!!!
Que 2010 seja um ano de realizações a todos :)

Segue o gabarito da quarta lista de exercícios:

Gabarito: E; C; C; C; C; C; E; E; C; C; E; E.
Gabarito: C.
Gabarito: E; E; E; C; E; C; C; C; C; C; C; C; C; E; C; E.

Conforme os e-mails que recebi, a próxima lista será de Geografia Física.
Abraço,
w.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Mideast on Target

The Iranian Paradox

By Yisrael Ne'eman


Supposedly Iran is going up in flames as demonstrators call for the overthrow of Supreme Islamic Council leader Ayatollah Khamenei and President Ahmedinejad in the latest round of continuing disturbances sparked by the fraudulent June 2009 elections. This time a coincidence of events, the death of opposition cleric Ayatollah Montazeri and the advent of the Ashura holiday brought mourners and demonstrators out into the streets of Iran's main cities in violent protest against the government. Putting everyone into a martyrdom mood was the Ashura commemoration of the death of Hussein (who according to Shiites was in line to lead the Muslim faithful) in the Battle of Karbala (680 CE) at the hands of the Caliph Yazid. This led to the Sunni - Shiite split and is "celebrated" by processions where blood is drawn from one's forehead to symbolize the massacre of Hussein's followers.
Many westerners have been expecting the Iranian regime to collapse over the years. In Israel certain Iran "experts" made this claim on and off for over two decades. One must recall that Iran is no longer solely an Islamic Republic but a hybrid Islamic/military dictatorship. The military, Revolutionary Guards and the Basij security forces are loyal to the regime, benefiting financially from their status as state guardians. The question is whether they are alienated by Khamenei and Ahmedinejad and what responses they would consider. For instance should there be a coup against the very top leadership in the name of reform without damaging the existing power structure the religious, political and military elite would remain intact and there will be very little change.
Closer to Israel the Hamas officially celebrated its "victory" over "the Zionists" in last year's "Cast Lead" conflict despite the lack of reconstruction in Gaza. North of the border Hamas officials were consulting with Hezbollah leaders in Beirut when a bomb killed two Hamas members in the Dakhia neighborhood headquarters of Hezbollah Sec. Gen. Hassan Nasrallah. It is not clear who was the target of the assassination attempt. Hezbollah continues to be a state within the Lebanese State, outgunning that nation's army.
The Iranian demonstrations may very well be speeding up the clock towards a confrontation with Israel. Should the Khomenei/Ahmedinajad regime feel threatened enough they will need an outside enemy. Hamas needs to keep things calm until the prisoner exchange for Gilad Shalit is completed but afterwards the continuing questions of reconstruction and what gains were achieved as a result of last year's conflict will continue to surface. A further Hamas worry is the wall/barrier (dug tens of meters deep) being erected on the Egyptian side of Rafiah in an effort to cut off Hamas contraband smuggling. The true Egyptian (and Israeli) objective is to strangle the Islamist regime. In Lebanon Hezbollah is a minority in the government and cannot expand its influence without at least a partial military option, whether directed towards internal pro-Western factions or against Israel. Hezbollah needs constant conflict to prove they are a player to be feared.
The more fluid the situation in Iran, the more unstable the whole Middle East becomes. All three Islamist players are heavily armed and very dependent on their security forces to retain their power. Should the Iranian regime feel itself weakened there may be a decision to "use it or lose it" against Israel, the West, the Arab Persian Gulf oil producing regimes such as Saudi Arabia and Kuwait or any mix of the above in an effort to consolidate support while doing as much damage as possible. Because of their dependency on Tehran and their own internal struggles both Hamas and Hezbollah can be expected to see themselves as fully committed to any Iranian timetable presented. Financially and as allies they are tied to Iran and have little choice.
Paradoxically, the ultimate deadline for an Iranian move against Israel may be set by the level of success of the "reformist" street demonstrations nation wide and not by the pace of Ahmedinejad's nuclear arms development program.