quarta-feira, 13 de abril de 2011

Mideast on Target

Israel's Deceptive Calm

by Yisrael Ne'eman

There is a general feeling in Israel that Middle Eastern instability will bypass the Jewish State. But while Israel is not a state repressing basic freedoms, has a democratic elective system and has no expectation of an uprising by the Facebook and Twitter generation short term future events on its doorstep may very well lead to conflict. Here we need to consider events in Syria, Lebanon, Jordan and among the Palestinians.

Although less friendly than before, it seems unlikely that Egypt will become directly involved in conflict with Israel, even if Hamas is now welcomed in Cairo. It is not clear whether the Egyptians will allow for a much greater amount of rockets, weapons and ammunition to enter the Gaza Strip. Previously attempts at halting contraband were partially successful. In the meantime medium range missiles capable of hitting the Tel Aviv outskirts are reportedly in the Hamas arsenals.

On the other hand instability in Syria, despite the media blackout, is increasing in scope. Should Assad and his Alawite minority begin to lose their grip on power, logic determines a two step approach for regime survival - a violent internal crackdown possibly of the 1982 Hama variety (10,000s killed) and the search for an outside enemy in an effort to reunite a diverse Syrian state comprising many minorities and a majority Sunni population polarized between religious Muslim Brotherhood and secular Ba'ath supporters. Using state controlled media, Damascus only needs the correct timing to identify the external threat – Israel.

Lebanon is sitting on a powder keg of ethnic/religious tensions between Sunnis, Shiites, Druze, Maronites and the Greek Orthodox. The Shiite Hezbollah militia is far more powerful than the Lebanese Army which itself has undergone a certain Shia-fication. One only need recall the Shiite army officer whose troops opened fire on Israel and killed a reserve colonel last summer. Tensions will come to a head when the UN finally issues its report exposing the culprits responsible for the assassination of former Sunni PM Saad Hariri's father Rafik Hariri in 2005 who himself was a leading political and economic figure having also served as PM. It is widely believed Hezbollah and quite possibly Syria will be blamed for the assassination. Shiite Iran, a close ally of both, will continence no such accusations preferring to deflect Lebanese and world attention to an outside enemy, namely Israel. Here too, timing will be significant, although unlike the Syrian front, Hezbollah has already promised that if it is "falsely accused" of the assassination they blame on Israel, the organization/militia will reserve the right of response.

Next there is Jordan where there is an almost total voluntary Western news blackout, but events are reported in Israel. King Abdullah II is under increasing pressure not only from Palestinian elements which comprise some two-thirds of the monarchy's population, but increasingly radical elements of the Muslim Brotherhood are making inroads, not only among Palestinians but even in certain Bedouin tribes considered loyal to the king himself. Calls for canceling the peace accords of 1994 coupled with demands for Israel's destruction are being heard with increasing frequency. Abdullah's grip on power may be slipping.

And then there are the Palestinians – split between Hamas in the Gaza Strip and the Fatah Palestinian Authority in the West Bank. The latest round of rocket attacks into the northwestern Negev originating from Gaza ended a few days ago. Little damage was done as Israel's "Iron Dome" defensive anti-missile system proved effective. However there are only two operational batteries and the earliest date for deploying any other is at least half a year away. This will not deter Hamas - owners of rockets capable of hitting the southern suburbs of Tel Aviv. Israel needs to add several more Iron Dome systems in the south and begin deploying on the Lebanese border across from Hezbollah in the north where there are none. All this will take several years.

Hamas is getting poised for the next round with Israel despite their recent calls for calm. Anarchy is seeping into Gaza life, the more radical Islamic Jihad is restless and it appears al-Qaeda has operatives stirring up troubles. Only a battle with the "Zionist entity" the ultimate outside enemy, can help unify the population, if only temporarily. The Fatah/PA controlled West Bank on the face of it is making progress towards independence. Such a declaration with overwhelming UN support can be expected in September. PA PM Salam Fayyad has convinced the latest UN mission (this week), World Bank and International Monetary Fund of Palestinian abilities to administer their own independent state. Not only has much civil and economic progress been made but the West Bank is very calm recently, not only due to the efforts of the Palestinian security forces but also with Israel's help.

The above constellation of events is very unsettling. Several flash points are discernable. A Syrian meltdown/explosion, a UN report accusing Hezbollah/Syria and possibly Iran in the Hariri assassination, a Hamas need for unity or a Jordanian civil war where Palestinian/Muslim Brotherhood opposition elements overthrow the regime are all possible sparks for conflict with Israel, most likely on more than one front. Even an internal threat to the Iranian regime (for sure a long shot) could be the trigger for hostilities against the Jewish State.

Better yet, the moment a Palestinian State is declared and/or recognized, the legality of Israel's presence in the West Bank becomes more precarious and the "settlement" issue more explosive. Any armed force acting in the name of "liberation" such as the Muslim Brotherhood/Hamas or a state entity such as Iran, Syria or anyone else will see itself as automatically receiving international support in its confrontation with Israel. What better cover for a war against Israel could possibly exist, especially when these regimes are facing overwhelming opposition, fractionalization and unremitting cross religious/ethnic violence threatening to topple their regimes at home?

By then whatever democracy revolution emerged on the Arab world scene in the winter of 2011 may be long forgotten.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Gabarito da prova de Geografia do CACD 2011

Não estava em São Paulo no dia da prova... Um dos meus alunos me enviou as questões de Geografia copiadas. Assim, não sei se é o Caderno Papa, Amarelo, Alfa ou qualquer cafonice dessa...
Coloco o número da questão de acordo com a prova que me foi passada, parte do enunciado e início e fim da questão.

25 - Com relação à Geografia Moderna...:
A guerra franco-prussiana... conhecimento geográfico alemães: C. Nota: superioridade porque mais bem institucionalizada...
O surgimento de... geógrafos de nacionalidades distintas: E. A dificuldade de integração é posterior ao surgimento de escolas nacionais; havia diálogo entre Ratzel e La Blache, por exemplo. Ninguém é obrigado a se tornar o melhor amigo um do outro hehe
A motivação colonial... respectivas colônias: esquisita... E. essa afirmação 'cada metrópole pesquisava o espaço das respectivas colônias' está errado. Livingstone servia à Rainha, mas isso não o impediu de andar por áreas fora do domínio britânico, sem contar o financiamento dessas viagens...
A geografia moderna... tardio da Alemanha: C

26 - ...região Nordeste do Brasil:
Durante todo o século... cidade global da região: E.
A colonização da região... cultura do algodão: E, para mim. Genérica demais... litoral do NE de hoje engloba do RN ao MA, e não houve produção açucareira nesse litoral. Ruim.
No Brasil... fomento regional: C. Isso cai todo ano.
Durante o ciclo... no Nordeste: C, se a palavra ciclo não invalidar a questão. Se fosse elaborada por mim, ciclo configuraria erro.

27 - Na aurora dos tempos...:
Opção correta: e. 'Conforme as sociedades se tornam... extrapola a escala local'.

28 - ...questão ambiental em nível mundial...:
A gestão ambiental pública no Brasil...: E. Controle de poluição é bem ruim, veja poluição das águas e de solo por lixo, esgoto, quimica para o campo e outros resíduos industriais. Perspectiva corretiva??? Nah...
Nas origens do conceito de desenvolvimento sustentável... Limites do Crescimento: E. Esse relatório prega o crescimento zero dos países pobres.
A gestão ambiental envolve... outros Estados: C
Embora a implantação de sistemas... mecanismo de desenvolvimento limpo: E, a implantação de sistemas agropastoris aumenta as emissões de gases (direta ou indiretamente); a criação de um mecanismo de desenvolvimento limpo não se limita a (ser objeto de) combustíveis renováveis...


Inscrevam-se no GeoCACD 2012-I!
As aulas começam dia 27 de abril e vão até setembro.
Acessem as informações nesse post: http://geografiacacd.blogspot.com/2011/04/geocacd-2012-i-curso-de-geografia.html


Vamos ver, então, qual será o resultado do CESPE...
Abraços,
W.



O QUE É O GeoCACD?

O curso GeoCACD é dedicado ao ensino da Geografia exigida pelo Instituto Rio Branco (IRBr) para a aprovação no Concurso de Admissão à Carreira Diplomática. Tem por objetivo formar os futuros diplomatas, treinando-os para o certame e qualificando-os com base em uma Geografia que desmistifica valores ideológicos característicos do ensino dessa disciplina.


O GeoCACD demonstra que a Geografia é mais que aquele conhecimento decorado em manuais superficiais de ensino médio, e perpassa o cotidiano de todos nós. Por intermédio das aulas, o aluno entenderá também o porquê de a Geografia ser imprescindível para a diplomacia, desde Alexandre de Gusmão até os dias de hoje, enfatizando a importância que o Barão do Rio Branco teve tanto no Itamaraty, como chanceler, quanto para a Geografia, na consolidação das fronteiras.

Não há Diplomacia que não esteja fundamentada na Geografia, e Milton Santos, um dos mais eminentes geógrafos do século XX, contribui, com sua obra, para a definição do papel que nós, brasileiros, exerceremos no sistema internacional, especialmente no momento em que nosso país transforma qualitativamente sua imagem entre os povos do mundo.

O curso GeoCACD é a mais adequada ferramenta de acesso ao IRBr, justamente por conciliar técnica, saber e projeto em suas 45 horas de aulas, em excelente material de apoio e no debate acerca de que diplomatas seremos, com base na nossa Geografia.

Conheça-nos: Av. Auro Soares de Moura Andrade, 252 5o andar, Barra Funda, São Paulo - próximo à estação de metrô Barra Funda.

Abraços,
W.

I Simpósio Internacional Geografia e Diplomacia

Estarei lá e alguns que já foram e são da banca também!
Vale a pena se inscrever...
Abraços,
W.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Mercado de trabalho brasileiro

EXERCÍCIOS MODELO CESPE TPS - DÉCIMA AULA GEOCACD - LISTA A - GEOGRAFIA HUMANA - AGROPECUÁRIA

Aula 10




1. ( ) a maior força de trabalho no Brasil é a composta pelos trabalhadores agrícolas, com aproximadamente 12,5 milhões de pessoas

2. ( ) a agricultura itinerante apresenta baixa produtividade e baixo desenvolvimento técnico

3. ( ) a agricultura de jardinagem é predominante no leste asiático

4. ( ) a plantation foi, durante a colonização americana, a forma de exploração predominante no campo, sendo substituída por modelos mais modernos após as independências

5. ( ) a utilização de máquinas predomina na agricultura de jardinagem e na agricultura itinerante, esta recebendo esse nome devido à mobilidade territorial proporcionada pela máquina

6. ( ) leguminosas são fertilizantes naturais, razão pela qual a agricultura itinerante utiliza pouco os fertilizantes industriais

7. ( ) terraceamento é técnica comum na agricultura praticada em áreas com declives

8. ( ) a agricultura familiar e agricultura itinerante são sinônimos ainda hoje

9. ( ) o agronegócio é o sistema agrário voltado para o mercado de commodities, sendo unicamente desenvolvido em latifúndios

10. ( ) a agricultura soviética é uma das responsáveis pelo desaparecimento, quase por inteiro, do Mar de Aral, devido à irrigação de extensas áreas desérticas

11. ( ) os sovkhozes predominavam na porção asiática da antiga URSS

12. ( ) os kibbutzim israelenses são referência de um sistema de propriedade coletiva da terra e distribuição igualitária da renda, com fundamental importância do Estado de Israel no seu gerenciamento

13. ( ) o modelo de kibbutzim é muito semelhante ao modelo soviético de kolkhozes

14. ( ) a Revolução Verde tanto foi benéfica quanto maléfica, já que, usualmente, ao mesmo tempo que aumenta a produtividade aumenta a concentração da propriedade fundiária

15. ( ) os organismos geneticamente modificados são um nicho de mercado importante para os países desenvolvidos, já que seu uso implica o pagamento de royalties

16. ( ) o agronegócio brasileiro tem experimentado certa internacionalização de suas empresas, tanto as de capital nacional que expandem suas atividades no exterior quanto estrangeiras comprando e investindo aqui

17. ( ) o maior número de trabalhadores por hectares cultivados se encontra na Ásia e na África Subssariana

18. ( ) a África Subsaariana apresenta as menores taxas do mundo de uso de tratores e de fertilizantes, o que demonstra a precariedade dos sistemas agrícolas dessa região do planeta

19. ( ) entre os países mais pobres do mundo, são poucos aqueles que tornaram-se exportadores líquidos de alimentos

20. ( ) os maiores valores agregados agrícolas por trabalhador estão na UE, nos EUA e Canadá, no Japão e na Austrália e Nova Zelândia, o que demonstra a importância dos subsídios agrícolas na manutenção do nível de vida da população desses países

21. ( ) a cultura do café migrou, nas últimas décadas, dos interiores paulista e paranaense para RO, MG e ES

22. ( ) a cultura da soja migrou, nas últimas décadas, do Sul para os eixos que vão do Triângulo Mineiro para o MT e para o MAPITO

23. ( ) a cultura do arroz migrou, nas últimas décadas, do Arco do Povoamento Adensado para o Sul

24. ( ) o interior paulista ainda é o mais importante produtor de laranjas no Brasil

25. ( ) o maior rival da produção de laranjas brasileiras é o Estado americano da Flórida

26. ( ) o latifúndio, no Brasil, concentra-se no Centro-Oeste, no TO, no interior paulista, no Triângulo Mineiro e no sudoeste gaúcho

27. ( ) a utilização de práticas modernas agrícolas no Brasil se identifica aos locais em que se encontram latifúndios

28. ( ) a adoção de práticas fitossanitárias atinge, hoje, grande parte do território brasileiro, ao contrário, por exemplo, do uso de práticas de conservação do solo

29. ( ) a ociosidade dos solos concentra-se no NE, no TO, no MA e no nordeste paraense

30. ( ) a ocupação de terras de modo ilegal, com uso de violência e com a expulsão de pequenos propietários, bem como o uso de trabalho escravo macula até mesmo o Legislativo, como no caso da senadora Kátia Abreu e do deputado Inocêncio Oliveira

31. ( ) os ovinos predominam no RS e no Nordeste brasileiros

32. ( ) os caprinos predominam no Nordeste brasileiro, cuja participação nesse tipo de pecuária ultrapassa os 85%

33. ( ) a maior concentração de bovinos por estabelecimento ocorre nos Estados do MT e MS

34. ( ) as pastagens naturais predominam apenas no Pantanal brasileiro

35. ( ) o acesso à água potável no campo brasileiro é ruim, sendo melhor apenas que alguns países subsaarianos e é equiparável à situação chinesa

36. ( ) entre as áreas de maior estresse hídrico estão a Costa Oeste norte-americana, o norte da África e o sul da Austrália

37. ( ) no MERCOSUL, as melhores condições de qualidade de vida estão no Uruguai, tradicional produtor e exportador de carne bovina

38. ( ) entre os países mais dependentes do setor primário, estão países pobres africanos, motivo de aproximação entre esses países e o Brasil, com grande destaque para a atuação da EMBRAPA

39. ( ) Índia e China dependem economicamente mais do agronegócio que o Brasil, razão pela qual há divergências entre esses países e nós brasileiros

40. ( ) entre os países que mais fizeram avanços no combate à fome nas últimas décadas, destacam-se China, países do Sudeste Asiático e nações sul-americanas como Brasil, Colômbia e Peru